Nosso Blog

Entre em contato

Você sabe o que é Biohacking?

22 jun Você sabe o que é Biohacking?

Você sabe o que é Biohacking?

O desejo de se tornar a melhor versão que podemos ser é uma aspiração familiar a todos nós.

A biohacking leva isso adiante, adotando uma abordagem de pensamento sistêmico para nossa própria biologia. Significa considerar que tudo o que colocamos em nosso corpo – de alimentos e bebidas a movimentos e ideias – afeta os resultados, sejam doenças, peso, energia ou desempenho nos negócios ou no atletismo.

Ao fazer a biohacking, você pode ‘transformar seu funcionamento interno’, sentir-se mais energizado, mais produtivo e, eventualmente, a melhor versão de si mesmo.

De uns anos para cá, temos observado um aumento de alergias, intolerâncias e o desejo de otimizar o desempenho do corpo, para que nosso potencial físico e mental seja utilizado ao máximo.

Portanto, os consumidores optam por seguir um esquema de saúde pessoal com mais e mais frequência usando rastreadores de saúde (digitais), suplementos de desempenho (como “probióticos avançados”) ou diagnóstico testes (DNA, biomarcador, microbioma, metaboloma – representa o conjunto de todos os metabólitos em uma célula, fluido biológico, tecido ou organismo, sendo estas substâncias consideradas os produtos finais dos processos celulares).

Na nutrição esportiva, observamos uma tendência a consumir menos suplementos e otimizar o desempenho aplicando dietas específicas, como uma dieta cetogênica. Não é novo, mas a demanda aumentará.

“Noto uma gama crescente de conceitos de nutrição personalizados, desde perceber as  dicas naturais que o próprio corpo dá, até usar tecnologias como testes de DNA ou análises de microbiomas intestinais do outro lado do espectro. Todos esses conceitos de alimentação personalizada prometem não apenas tornar a alimentação mais divertida e agradável novamente, mas também visam melhorar a saúde e o bem-estar individuais com foco num melhor desempenho personalizado ” afirma o Dr. Diogo Simão, nutrólogo do Espaço Volpi 

História do Biohacking

“Biohacking” é um termo amplo que se refere a várias coisas diferentes. Historicamente, o termo foi mencionado em um artigo de 1988 no Washington Post discutindo a biotecnologia sendo trazida às massas na forma de “mexer no código genético de um organismo vivo”.

8 maneiras de se biohackear

1. Eliminação

Se você tiver dificuldades com alergias alimentares, problemas para digerir alimentos, pele com eczema e acne ou cansaço constante, provavelmente é hora de fazer um biohack com uma dieta de eliminação.

O nome pode parecer assustador, mas é apenas um plano alimentar de curto prazo para descobrir se os alimentos que você está comendo desempenham um papel em quaisquer problemas que você esteja enfrentando.

Funciona assim: durante 3 a 4 semanas, você deixará de consumir alimentos que são conhecidos como alérgenos como glúten, soja, leite, amendoim e milho são os alimentos para cortar durante este tempo.

Então, lentamente, você reintroduzirá os alimentos proibidos, prestando atenção em como se sente e em como o seu corpo responde fisicamente.

Se você suspeitar que um alimento que você adicionou à sua dieta é irritante, remova-o novamente e veja se os sintomas desaparecem.

O objetivo é identificar se você é menos tolerante a alguns alimentos do que outros e tomar decisões sobre o que está comendo.

Por exemplo, se acontecer de você não responder bem ao leite de origem animal, talvez queira usar leite de coco ou de amêndoa como parte de uma dieta sem laticínios.

Uma dieta de eliminação é um dos melhores biohacks que você pode fazer por si mesmo. Algumas pessoas não entendem como elas podem ser boas até remover alguns dos piores criminosos alimentares de sua dieta.

Evite produtos considerados alergênicos

2. Elimine o açúcar

Pode ser um biohack bastante difícil, mas um dos mais recompensadores.

Os Açúcares que você deve eliminar são os dos  produtos como refrigerantes, alimentos processados ​​e doces, mas também em alimentos como iogurte com sabor, condimentos (verifique os rótulos de molho de churrasco e ketchup!) E bebidas energéticas.

O que torna o açúcar tão ruim para o seu corpo é que ele aumenta o risco de diabetes tipo 2, produz alterações de humor, inflama o corpo e reduz seus níveis de energia.

Para saber o quanto de açúcar você anda consumindo, procure nos rótulos tudo o que termina com “ose” e adoçantes naturais como mel, melaço e suco de frutas também contam e para de consumir alimentos ultraprocessados.

3. Jejum Intermitente

O jejum intermitente está ganhando popularidade como método de perda de peso e normalização da sensibilidade à insulina, o que pode ajudar a prevenir doenças crônicas como o diabetes.

Ele também regula os níveis de grelina, mais comumente conhecido como hormônio da fome, que diz ao seu cérebro quando você está com fome, e leptina, que sinaliza para o cérebro que você está cheio e deve parar de comer.

Embora possa levar um tempo para você se acostumar ao jejum intermitente, ele pode ser uma boa opção de biohacking.

4. Dormir

Se você não dormir o suficiente – mínimo de 7 horas – pode estar correndo o risco de desenvolver doenças crônicas, de baixar sua imunidade, de sofrer de depressão e aumento do apetite.

Para biohackear seu sono, algumas dicas: mantenha um horário regular de sono (também nos finais de semana) e mantenha seus ciclos circadianos sob controle e desligar o celular pelo menos uma hora antes de ir para a cama.

5. Coma gordura

Embora a dieta cetogênica seja bem popular, não é uma dieta de moda passageira. Na dieta cetogênica, você está tentando levar seu corpo à cetose, um estado metabólico em que o corpo usa principalmente cetonas, não carboidratos, como energia.

Isso acontece quando a gordura, e não a glicose (carboidratos), fornece a maior parte das calorias do corpo. (Também pode ser induzido por jejum de vários dias, mas isso não é uma opção de longo prazo para a maioria das pessoas.)

Em uma dieta cetogênica, você restringirá seriamente carboidratos e açúcar, e em vez disso, comerá alimentos cetogênicos, como gorduras saudáveis ​​(óleo de coco, ghee, nozes, etc.), vegetais sem amido e alimentos que são ricos em proteínas,  como carne bovina, ovos e peixes.

Essa dieta além de ser muito eficaz em promover a perda de peso, ela pode reduzir os marcadores de doenças cardíacas, como colesterol alto, e até mesmo combater doenças cerebrais – de fato, a dieta cetogênica era originalmente usada como uma forma de controlar convulsões em pessoas com epilepsia.

6. Meditação

Os benefícios da meditação são enormes: reduzir a dor e aumentar a qualidade do sono, diminuir a inflamação e aumentar a produtividade.

Se você está sofrendo de estresse ou ansiedade, a meditação também pode ser uma maneira realmente eficaz de lidar naturalmente com os sintomas. Estabelecer uma prática diária de meditação é uma das melhores coisas que você pode fazer pela sua saúde mental e física.

Medite

 

7. Ande descalço

Pisar descalço no chão pode melhorar o seu sono, reduzir a inflamação e incentivá-lo a desfrutar mais da natureza e obter sua dose de vitamina D.

As pessoas ativas costumam gostar de “rewilding”, semelhante ao processo de pisar no chão.

Muitos especialistas em biohacking ensinam que devemos lutar contra nossa “domesticação” natural e, em vez disso, passar mais tempo fora, comer menos alimentos processados, beber água, ser expostos à luz solar e aprender a amar o ar livre.

Ande descalço

8. Fique em pé

A maioria de nós passa nossos dias sentado, seja no trabalho, em casa ou no trânsito e ficar sentado durante muito tempo é prejudicial para nosso corpo.

Levante da cadeira a cada 60 ou 90 minutos e dê uma volta, seja em casa, no escritório, ou na rua, quando for possível.

Fique em pé

 

Quer mais técnicas de Biohacking?

Outras técnicas incluem nootrópicos (drogas “inteligentes”), neurofeedback, treinamento de variabilidade da frequência cardíaca e terapia de inversão.

Os nootrópicos são medicamentos e suplementos para melhoria cognitiva, alguns dos quais são relativamente saudáveis, seguros e bem investigados (suplementos de cúrcuma e vitamina D, por exemplo).

Nootrópicos

Neurofeedback é aproveitar a plasticidade do seu cérebro, retreinando-o para responder a várias emoções. Normalmente envolve monitoramento EEG e, em seguida, jogando “jogos” que lhe dão feedback positivo e negativo com base no resultado desejado. Este processo é usado por muitos para aumentar a criatividade e até mesmo o QI.

Neurofeedback

O treinamento de variabilidade da frequência cardíaca envolve o uso da tecnologia para detectar quando os batimentos cardíacos mudam para refletir o estresse – você passa de uma quantidade variada de tempo entre cada batida e um ritmo fixo quando está sob algum tipo de estresse. A tecnologia (apps específicos) avisa e orienta sobre o que ouvir e como respirar para evitar o estresse.

Variabilidade cardíaca

Alguns biohackers também gostam de praticar a terapia de inversão, o complexo processo de ficar de cabeça para baixo. A simples função de forçar o sangue para o cérebro supostamente fortalece os capilares dentro do cérebro e pode aumentar o desempenho mental. Os proponentes dessa técnica também afirmam que ela altera a regulação da pressão arterial quando realizada regularmente.

Terapia de inversão

Há também maneiras de maximizar os treinos usando o biohacking. Algumas delas são muito diretas, como acompanhar seus horários exatos de exercícios, exercícios e resultados específicos para desenvolver um cronograma e uma rotina que seja exatamente adequada para o seu corpo ou praticar exercícios de respiração como parte de seu treino regular.

Treinos de biohacking

 

Equipe Espaço Volpi

Quer saber mais ou agendar uma consulta?

Your html code will go here