NÃO NEGLICENCIE O EFEITO DAS BEBIDAS ADOÇADAS!

NÃO NEGLICENCIE O EFEITO DAS BEBIDAS ADOÇADAS!

11 abr NÃO NEGLICENCIE O EFEITO DAS BEBIDAS ADOÇADAS!

Bebidas adoçadas englobam refrigerantes, sucos e chás industrializados, guaraná “natural” (que de natural não tem nada) e outros tipos de bebida. Muita gente negligencia o efeito dessas bebidas no organismo e crê que o problema mesmo está somente em alimentos sólidos (fast food, ultraprocessados e companhia). Mas não é bem assim… Em um excelente artigo publicado na revista The Lancet Diabetes & Endocrinology (Lancet Diabetes Endocrinol. 2016 Feb;4(2):174-86), os autores mostram que a América Latina é o segundo maior consumidor de bebidas adoçadas do planeta, ficando atrás apenas da América do Norte. Nos EUA as coisas são tão alarmantes que as bebidas adoçadas chegam a ser quase 40% das calorias totais ingeridas pela população! Os problemas dessas bebidas são inúmeros, sendo os mais comuns cáries dentárias, obesidade, diabetes tipo 2 e doença arterial coronariana, como o próprio artigo aponta. O maior responsável por tudo isso é justamente o açúcar presente nessas bebidas. O açúcar é sacarose, uma molécula formada de glicose e frutose. Ambas em excesso causam esses distúrbios metabólicos.

Recebo muito no consultório pacientes relatando que matam sede com esse tipo de bebida e bebem pouca água. Está errado! Água é indispensável! Sem contar que água não contém açúcar e demais aditivos químicos. Minha intenção não é fazer terrorismo nutricional, é apenas esclarecer que esses chás prontos, sucos de caixa e outras bebidas industrializadas não são inofensivas como parecem. É preciso ter isso em mente! Muito me preocupa a quantidade que as pessoas ingerem! E o mais grave: cada vez mais cedo. É alarmante ver uma criança de 1 ano de idade tomando esse tipo de bebida! Precisamos fazer escolhas melhores. Bebam água. Tracem metas para diminuir a ingestão dessas bebidas até chegar a zero. Se programem quando forem sair, levando de casa água ou um líquido mais saudável, para não precisar comprar na rua.

Fonte

Gostou deste artigo? Então enriqueça este artigo com seu comentário, registre a sua opinião e compartilhe conosco suas experiências!